Por: Cíntia Dabés Serretti

“Numa toca no chão vivia um hobbit. Não uma toca desagradável, suja e úmida, cheia de restos de minhocas e com cheiro de lodo, tampouco uma toca seca, vazia e arenosa, sem nada em que sentar ou o que comer: era a toca de um hobbit, e isso quer dizer conforto.”

As primeiras linhas do livro “O Hobbit” do autor sul-africano J.R.R. Tolkien mostram que um hobbit gosta de suas regalias e exige um ambiente aconchegante. Agora é possível visitar não só uma toca, mas a vila inteira desses pequenos seres que conquistaram os leitores e os fãs dos filmes O Senhor dos Anéis e O Hobbit.

O filme “O Hobbit – uma jornada inesperada”, que estreia hoje nos cinemas brasileiros, é a primeira parte de uma trilogia do diretor Peter Jackson – que também dirigiu os três longas do Senhor dos Anéis – e é baseado no livro “O Hobbit”, também escrito por Tolkien.

Se você adoraria visitar a Terra-Média (onde passam as histórias de Tolkien), prepare-se para ir ao outro lado do mundo: localizada na Ilha Norte, na Nova Zelândia, há um vilarejo chamado Matamata, no centro da região de Waikato, onde se encontra a vila dos Hobbits, mais conhecida como Hobbiton.Hobbiton Foi em uma fazenda nessa localidade que Peter Jackson construiu o set de filmagem para Hobbiton, utilizado na trilogia do Senhor dos Anéis e agora em O Hobbit.

Antes chamada de The Alexander Farm, essa fazenda foi descoberta por Jackson em 1998, enquanto sobrevoava diversas regiões da Nova Zelândia à procura de locações para os filmes do Senhor dos Anéis. A New Line Cinema, estúdio responsável pelas filmagens, começou a construção de Hobbiton em 1999, obra essa que demorou nove meses e utilizou o maquinário do exército neozelandês para as escavações das tocas.

Durante a construção do set e a filmagem dos longas do Senhor dos Anéis, Hobbiton foi guardada a sete chaves e com vigilância constante por exigência do estúdio, uma vez que a New Line Cinema não queria estragar a surpresa para seus espectadores ao verem pela primeira vez a vila dos hobbits “na vida real”.

Uma das visitantes de Hobbiton foi a estilista Vanesa Griznik, que confessa não ter lido os livros, mas viu todos os filmes do Senhor dos Anéis no cinema. "Este lugar é incrível, onde cada detalhe foi pensado para criar um ambiente que supere a ficção para parecer real. Dá a sensação que essas 'pessoinhas' existem, que saíram para dar um passeio ou estão em suas casas dormindo."
casa em Hobbiton
Ela conta que quando faltavam poucos dias para sua viagem, alugou todos os longas para ver de novo, pois queria "entrar no clima da Nova Zelândia e suas incríveis paisagens."

De acordo com a estilista, os detalhes são a principal razão pela qual tudo na vila dos Hobbits parece tão real: "o que mais me impressionou foi a cenografia. Os jardins das casinhas têm as flores mais lindas trazidas da Inglaterra, todas de verdade e muito bem cuidadas, tal como Tolkien as descreveu. [Também há] muitos elementos decorativos como bancos, maçanetas, mesinhas, frutas...".

Tour de fantasia

Após as filmagens de O Senhor dos Anéis, Hobbiton foi desmontada, mas em 2011 a reconstruíram para a trilogia de O Hobbit e agora ficará permanentemente na fazenda Alexander. O local tem jardins deslumbrantes, um moinho, uma ponte e o pub local, O Dragão Verde. Mas a maior atração são as tocas de hobbits, incluindo a mais famosa de todas: a toca de Bilbo Bolseiro, personagem principal da história.

Segundo a descrição feita por Tolkien da toca de Bilbo  no livro O Hobbit, “a toca tinha uma porta perfeitamente redonda como uma escotilha, pintada de verde, com uma maçaneta brilhante de latão amarelo exatamente no centro. A porta se abria para um corredor em forma de tubo, como um túnel: um túnel muito confortável, sem fumaça, com paredes revestidas e com o chão ladrilhado e atapetado, com cadeiras de madeira polida e montes e montes de cabides para chapéus e casacos — o hobbit gostava de visitas.” Claro que esse ambiente é um dos mais requisitados pelos turistas, mas não vá esperando encontrar uma réplica exata da toca de Bilbo em Hobbiton. Por trás da porta só há terra, já que o interior da casa foi feito em estúdio. Mas estar no jardim em frente a porta do personagem com a famosa árvore em cima da toca são suficientes para sentir-se um hobbit.
Hobbiton
Também parte de Hobbiton, os irmãos Alexander decidiram criar o The Shires Rest Café – um restaurante e cafeteria que serve refeições e lanches para visitantes e também organiza eventos como festas, reuniões empresariais e até casamentos.

Há também uma pequena loja onde é possível comprar suvenires, como echarpes e luvas de lã, mapas e guias da Terra-Média, cartões-postais e até réplicas do Um Anel, o almejado objeto do filme.

Os tours pela propriedade vão de NZD$ 75 (cerca de R$ 131) a NZD$ 468 (aproximadamente R$ 818), dependendo do pacote, que podem incluir estada noturna em uma fazenda local com pensão completa e visita a outras cidades próximas de Hobbiton.

Comprada em 1978 pela família Alexander, a fazenda de 500 hectares ainda possui 13 mil ovelhas e 300 cabeças de gado Angus, fazendo com que sua maior fonte de renda ainda seja a produção de lã, carne de carneiro e de boi. Até hoje os irmãos Alexander tosquiam as ovelhas no local, a cada oito meses.

"Enfim chegou o momento!", diz Vanesa animada, se referindo à estreia de O Hobbit. “Vai ser incrível reviver a visita à aldeia com as imagens do filme”, diz nossa leitora.

Para a estilista, Hobbiton é um lugar mágico. "Você se sente dentro de uma história”. No final do tour, ela afirmou: 'Quero viver aqui!' e sorriu, sentindo a paz da belíssima cidade de fantasia.

Saiba mais sobre os tours de Hobbiton.

 

Comentários

Excelente reportagem! Poder viver esta fantasia tornada realidade deve ser das melhores experiências de viagem. Um grande abraço para A Mulher Viajante

Comentar

Plain text

  • Nenhuma tag HTML permitida.
  • Endereços de páginas de internet e emails viram links automaticamente.
  • Quebras de linhas e parágrafos são feitos automaticamente.

Filtered HTML

  • Endereços de páginas de internet e emails viram links automaticamente.
  • Tags HTML permitidas: <a> <em> <strong> <cite> <blockquote> <code> <ul> <ol> <li> <dl> <dt> <dd> <p> <iframe>
  • Quebras de linhas e parágrafos são feitos automaticamente.

Gmap

  • Insert Google Map macro.