Por: Stéphanie Boccomino

A preocupação com a estética e a beleza não é do nosso século. Há tempos que técnicas para tratamento e rejuvenescimento da pele e dos cabelos são usados no mundo inteiro. Conheça alguns dos truques e procedimentos extremamente estranhos em nome da beleza.

No Egito Antigo, durante o século 14 a. C, a rainha Nefertiti se banhava todas as manhãs com água e carbonato de cal. Ela também esfregava o corpo com uma pasta de argila do rio Nilo para manter sua pele macia e jovem. Além disso, clara de ovo e vinagre eram usados para aveludar a pele e sálvia para branquear os dentes.

Na Roma Antiga, as mulheres usavam máscaras faciais durante a noite feitas de farinha, miolo de pão e leite de jumento para melhorar a pele. Já durante o dia, elas utilizavam giz para clarear a pele, sais de antimônio para realçar os olhos (quase igual ao que usamos hoje!) e ocre de cor vermelha para colorir os lábios. Para manter a cútis vistosa, o suor dos gladiadores (sim, você leu certo) era coletado e vendido como cosmético para a pele. Como se não bastasse, o tratamento anti-idade constava na aplicação de placenta de vaca ainda quente ou uma mistura feita de genitais de vitela dissolvida em vinagre com enxofre. Que horror!

Máscara de gelo da Max Factor• O ideal de beleza na Idade Média era ostentar uma testa grande. Para isso, as mulheres usavam ingredientes como sulfeto de arsênico, cal viva, unguentos (medicamentos de uso externo à base de gordura) feitos de cinzas de ouriço, sangue de morcego, asas de abelha, mercúrio e baba de lesma para depilar, polir e branquear a testa. Parece até magia negra!

No século 16, o pó de arroz surgiu como uma espécie de xampu seco, usado no cabelo durante a noite, para na manhã seguinte ser eliminado com um pente, juntamente com a gordura e outras impurezas do couro cabeludo. Foi no final do século 16 e início do século 17 que os pós coloridos e perfumados se tornaram itens indispensáveis do rosto para homens e mulheres aristocratas europeus, que não ousavam aparecer em público sem ele. Os banhos não eram diários, mas substituídos por borrifadas de perfume, cosmético  que era símbolo de estatuto social.

Mais lidas:
Deserto do Rajastão, na Índia: um show para os sentidos
Relacionamento: o amor resiste à distância?
Mídia social para viajantes

No século 17, a pele branca era bastante valorizada. Os aristocratas bebiam vinagre e suco de limão, por pensarem que assim ficariam  com a aparência mais pálida. Também cobriam a cara com pó branco e,  no caso das mulheres, também o decote e as costas. Para que a cor durasse mais e desse uma aparência de porcelana, utilizava-se uma pasta chamada “la blanquette”, feita com pó de arroz, talco e umas gotas de tintura de benjoim, que obstrui os poros.

No século 18, quanto mais alto fosse o cabelo, mais rica a pessoa simbolizava ser. As mulheres usavam perucas e adornos gigantes e pesados na cabeça.

No século 19, tentDispositivo para fazer covinhas nas bochechasava-se pela primeira vez eliminar rugas usando um método chamado “esmaltado do rosto”. Lavava-se o rosto com um líquido alcalino para aplicar uma pasta, preenchendo as rugas. Por cima, colocava-se uma camada de esmalte, feita com arsênio e chumbo, que durava cerca de um ano. Além de ser estranha e incomodar, a máscara era de um espessura muito grossa, que podia rachar com os menores movimentos.

No século 20, surgiram novas tecnologias para embelezar que pareciam autênticos instrumentos de tortura. A primeira máquina de fazer permanente nos cabelos e cachos foi criada em 1929, na Alemanha. Consistia em colocar mechas do cabelo em tubos de calor compridos, conectados por diversos fios.  A empresa de cosméticos Max Factor lançou, em 1932, uma máquina com ar futurista que media minuciosamente o rosto para ajudar a verificar as desproporcionalidades que deveriam ser corrigidas com a maquiagem. A invenção foi nomeada de “Calibrador de Beleza”. A empresa também inventou uma máscara de plástico com gelo grudado, denominada de “Céu de Ressaca”, usada por atrizes que quisessem refrescar seus rostos nos camarins, sem estragar a maquiagem. Em 1936, foi criado um dispositivo para fazer covinhas nas bochechas. Era colocado em torno das bochechas do paciente, de modo a formar marcas, devido à alta pressão do aparelho.

 

Fotos: Dispositivo para dar ondulação, cachos e permanente no cabelo (primeira foto). Máscara de gelo da Max Factor (segunda imagem, à direita). Dispositivo para fazer covinhas nas bochechas (última foto).

Comentários

Bom dia, achei esse texto interessante, vi a matéria no seu site, mas também já tinha visto antes no Portal MSN, só que agora não consigo mais a fonte original. Se você tiver se baseado naquele site para montar esta matéria, se importaria em me enviar o link se ainda o tiver?
Muito obrigado,
WG.

Olá WG,
Obrigada pelo comentário! Nossas colaboradoras buscam informações em fontes confiáveis e variadas, procurando apurar em mais de um local de proveniência para assegurar a veracidade do conteúdo. Neste caso, você poderá encontrar informações em enciclopédias de moda e beleza e também livros sobre a história deste tema.
Não podemos lhe assegurar sobre onde esta informação se encontrava em outro portal, mas se eles a retiraram e havia algo que a interessasse, sugerimos entrar em contato diretamente com o portal em questão.
Quaisquer outras dúvidas, estamos à disposição!
Um abraço,
Equipe Mulher Viajante

Comentar

Plain text

  • Nenhuma tag HTML permitida.
  • Endereços de páginas de internet e emails viram links automaticamente.
  • Quebras de linhas e parágrafos são feitos automaticamente.

Filtered HTML

  • Endereços de páginas de internet e emails viram links automaticamente.
  • Tags HTML permitidas: <a> <em> <strong> <cite> <blockquote> <code> <ul> <ol> <li> <dl> <dt> <dd> <p> <iframe>
  • Quebras de linhas e parágrafos são feitos automaticamente.

Gmap

  • Insert Google Map macro.